quinta-feira, 20 de agosto de 2020

O cobre é ótimo para matar superbactérias - então por que os hospitais não o usam?

Fantasilandia no Chile, um dos maiores parques temáticos da América Latina, substituiu suas superfícies mais tocadas por cobre para ajudar a reduzir a disseminação de germes e proteger a saúde de seus visitantes. Mas por que? Porque o cobre e suas ligas exibem propriedades antibacterianas, antivirais e antifúngicas impressionantes.

O cobre tem sido explorado para fins de saúde desde os tempos antigos. Soldados egípcios e babilônios afiavam suas espadas de bronze (uma liga de cobre e estanho) após uma batalha e colocavam a limalha em suas feridas para reduzir a infecção e acelerar a cura.

O cobre também era usado para curar problemas médicos na China e na Índia antigas e é um componente importante da medicina ayurveda hoje. Hipócrates na Grécia e os astecas usaram óxido de cobre e carbonato de cobre, combinados com outros produtos químicos como carbonato de sódio, pasta de azeitona e mel, para tratar infecções de pele. Trabalhadores do cobre em Paris foram protegidos de

várias epidemias de cólera e vinícolas francesas até aplicaram sulfato de cobre e apagaram lima, chamada mistura de Bordeaux , às vinhas para prevenir o ataque de fungos.

O cobre é incrível

Mas só agora nossa pesquisa descreve como o cobre e suas ligas exibem essas propriedades impressionantes e os processos envolvidos. O processo envolve a liberação de íons de cobre (partículas eletricamente carregadas) quando micróbios, transferidos por toque, espirro ou vômito, pousam na superfície do cobre. Os íons impedem a respiração celular, perfuram a membrana da célula bacteriana ou rompem o revestimento viral e destroem o DNA e o RNA em seu interior.

Esta última propriedade é importante porque significa que nenhuma mutação pode ocorrer - evitando que o micróbio desenvolva resistência ao cobre. A preocupação global está crescendo sobre a resistência antimicrobiana e o risco de morte que ela apresenta por infecções comuns, mesmo em pequenas operações. Portanto, é uma sorte que as ligas decobre eliminem as superbactérias , incluindo MRSA e aquelas do notório grupo de patógenos ESKAPE - a principal causa de infecções hospitalares.

A transferência de genes de resistência a antibióticos de bactérias resistentes para outras bactérias também é interrompida porque os próprios genes são destruídos. Essas propriedades destrutivas são aumentadas pelas bactérias, uma vez que liberam pequenas quantidades de peróxido de hidrogênio. Este reage com os íons de cobre para formar oxigênio ferozmente reativo, que também ataca e danifica os micróbios em várias áreas.


Todos esses estudos de laboratório foram traduzidos para o ambiente de saúde. Estudos em todo o mundo mostraram que, com a limpeza de rotina, quando a liga de cobre é usada em superfícies regularmente tocadas em enfermarias movimentadas e unidades de terapia intensiva, há uma redução de até 90% no número de bactérias vivas em suas superfícies . Isso inclui grades de cama, braços de cadeira, botões de chamada, mesas sobre a cama, postes de soro, torneiras e maçanetas.

Estudos em três unidades de terapia intensiva de hospitais nos Estados Unidos também mostraram uma redução notável de 58% nas taxas de infecção. Portanto, sem surpresa, as superfícies de toque de liga de cobre agora estão sendo implantadas em todo o mundo em aeroportos, trens, estações de trem, ônibus, cozinhas de restaurantes e academias. O novo Francis Crick Institute em Londres está equipado com ligas de cobre, apoiando sua visão e visão como um centro de pesquisa líder mundial para o bem público.

Alguns vírus comuns não têm vacina disponível, como o vírus do vômito de inverno (norovírus) - o flagelo dos navios de cruzeiro. Outros, como a gripe, sofrem mutações tão rapidamente que é difícil para as vacinas se manterem - e precisam ser reformulados anualmente. As superfícies de cobre, entretanto, eliminam-nos independentemente das mudanças anuais nos micróbios.

Por que hospitais? não está disseminado?

Então, se o cobre é tão bom, você pode estar se perguntando, por que os hospitais não têm mais acessórios e acessórios de cobre?

Bem, enquanto alguns hospitais estão instalando conexões de cobre, muitos outros ainda não estão cientes de suas propriedades. Quando os médicos são solicitados a citar um metal antimicrobiano usado na área de saúde, a resposta mais comum é a prata - mas eles não sabem que a prata não funciona como uma superfície antimicrobiana quando seca - a umidade precisa estar presente e, portanto, a prata teria um efeito antibacteriano. 

O cobre, em corrimãos e superfícies que têm contato manual frequente é mais eficiente por seu poder de oxidação sem ser necessário a água como fator coadjuvante.

O custo também pode ser um fator. Os hospitais podem ver os dispensadores de gel para as mãos como opções mais baratas, apesar do fato de que nem todos esses géis matam todos os micróbios - incluindo o norovírus.

No entanto, um estudo independente do Consórcio de Economia da Saúde da Universidade de York mostrou que, levando em consideração os custos reduzidos de menor permanência do paciente e tratamento, o tempo de retorno para a instalação de conexões de cobre é de apenas dois meses.

Fazer e instalar acessórios de cobre não é mais caro do que usar materiais como o aço inoxidável que, ironicamente, é considerado mais fácil de limpar devido à sua superfície brilhante. No entanto, sabemos que eles estão cobertos por marcas microscópicas e arranhões devido ao uso e desgaste normal, deixando vales para os superbactérias e vírus residirem e escaparem dos procedimentos de limpeza. 

A limpeza acontece, na melhor das hipóteses, uma vez por dia, enquanto o cobre funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana - portanto, é certamente um complemento importante na luta para manter limpo o ambiente construído. 

A importância da instalação de conexões de cobre foi reconhecida na França, onde vários hospitais estão instalando cobre.

Finalmente, pelo menos algumas nações do mundo estão acordando para essa abordagem simples de controle de infecções, esperemos que outras façam o mesmo.

Fonte

https://theconversation.com/copper-is-great-at-killing-superbugs-so-why-dont-hospitals-use-it-73103

Tipos de nanomateriais e nanoestruturas

As novas propriedades dos nanomateriais oferecem muitas novas oportunidades para a indústria de alimentos. Diferentes tipos de nanoestruturas funcionais podem ser usados​ ​ como blocos de construção para criar novas estruturas e introduzir novas funcionalidades nos alimentos.

Estes incluem: nanolipossomos, nanoemulsões, nanopartículas e nanofibras. Weiss descreveu várias dessas estruturas, seus usos reais e potenciais na indústria de alimentos.

De acordo com as informações atualmente disponíveis, os nanomateriais utilizados em aplicações alimentares incluem substâncias inorgânicas e orgânicas.

Os nanomateriais manipulados (ENMs) que provavelmente são encontrados em produtos de nano-alimentos se enquadram em três categorias principais: materiais inorgânicos, funcionais na superfície e nanomateriais orgânicos projetados.

Nanomateriais inorgânicos para aplicação em aditivos alimentares, embalagem ou armazenamento de alimentos incluem ENMs de metais de transição, como prata e ferro; metais alcalino-terrosos, como cálcio e magnésio; e não metais, como selênio e silicatos.

Outras ENMs que podem ser potencialmente usadas em aplicações alimentares incluem dióxido de titânio. A embalagem de alimentos é a principal área de aplicação de ENMs de metal (óxido).

A Nanoprata está encontrando um uso crescente em diversos produtos de consumo, incluindo água para alimentos e produtos naturais, superfícies para contato com alimentos e materiais de embalagem.

De fato, o uso do nanoprata como antimicrobiano, antiodorante e um complemento de saúde (proclamado) já superou todas as outras ENMs atualmente em uso em diferentes setores.

Sabe-se que a nanosílica amorfa é utilizada em superfícies de contato com alimentos e em aplicações de embalagem de alimentos.

O nanoselênio está sendo comercializado como um aditivo para um produto de chá verde, com vários benefícios para a saúde (proclamados) resultantes da absorção aprimorada de selênio.

Os sais de nanocalcium são objeto de pedidos de patente para uso pretendido em gomas de mascar. Os sais de nanocalcium e nanomagnesium também estão disponíveis como suplementos de saúde.

O nano-ferro está disponível como um complemento de saúde e é usado no tratamento de água contaminada, onde é reivindicado descontaminar a água quebrando poluentes orgânicos e matando patógenos microbianos.

Um nanomaterial solúvel em desenvolvimento é o nanosal, que permitirá aos consumidores reduzir a ingestão de sal, uma vez que uma pequena quantidade cobrirá uma área maior da superfície dos alimentos.

Nanoleite com sabor de cola e nanomaionese com redução de gordura são apenas dois dos produtos alimentícios baseados em nanotecnologia no pipeline da Wageningen University, na Holanda.

A nanotecnologia seria usada para fabricar embalagens 'inteligentes' para aumentar drasticamente a vida útil dos alimentos e permitir que eles fossem transportados com segurança.

Estão sendo desenvolvidas embalagens Smart '(contendo nanossensores e ativadores antimicrobianos) que serão capazes de detectar deterioração dos alimentos e liberar nanoantimicrobianos para prolongar a vida útil dos alimentos, permitindo que os supermercados mantenham os alimentos por períodos ainda maiores antes de sua venda.

Os nanossensores, incorporados nos produtos alimentares como pequenos chips invisíveis ao olho humano, também atuariam como códigos de barras eletrônicos.

Os nanomateriais funcionais de superfície adicionam certos tipos de funcionalidade à matriz, como atividade antimicrobiana ou uma ação conservadora por absorção de oxigênio.

Para materiais de embalagem de alimentos, as ENMs funcionais são usadas para se ligar à matriz polimérica para oferecer resistência mecânica ou uma barreira contra o movimento de gases, componentes voláteis (como sabores) ou umidade. 

Comparados aos nanomateriais inertes, eles são mais propensos a reagir com diferentes componentes alimentares, ou ficam vinculados a matrizes alimentares e, portanto, podem não estar disponíveis para migração de materiais de embalagem ou translocação para outros órgãos fora do trato gastrointestinal.

Nanomateriais orgânicos (muitos deles substâncias de ocorrência natural) são usados (ou foram desenvolvidos para uso) em alimentos,rações para aumentar a absorção e absorção e biodisponibilidade melhorada de vitaminas, antioxidantes no corpo, em comparação com os equivalentes a granel convencionais.

Uma grande variedade de materiais está disponível nesta categoria, por exemplo, aditivos alimentares (por exemplo, ácido benzóico, ácido cítrico, ácido ascórbico) e suplementos (por exemplo, vitaminas A e E, isoflavonas, beta-caroteno, luteína, ácidos graxos ômega-3 e coenzima-Q 10).

Um exemplo de um nanomaterial orgânico é o licopeno carotenóide de tomate. Uma forma de nano sintética de licopeno foi produzida e encontrada como fontes equivalentes de licopeno em comparação com o licopeno natural.

Proteínas, moléculas de gordura e açúcar, bem como neutracêuticos constituídos por aditivos alimentares derivados de plantas, são exemplos de nanomateriais orgânicos.

Os analistas de nanotecnologia estimaram que entre 150-600 nanofoods e 400-500 nano aplicações de embalagens de alimentos já estão no mercado.

A nanotecnologia também abriu caminho para a introdução de outras funcionalidades, como a atividade antimicrobiana em materiais biodegradáveis. Por exemplo, o conservante ácido benzóico foi ligado a uma hidrotalcita de magnésio-alumínio e o complexo foi misturado com policaprolactona para retardar a liberação da molécula antimicrobiana.

Outros desenvolvimentos incluem o uso de certas enzimas com atividade antimicrobiana que podem ser imobilizadas covalentemente em filmes de polipropileno bio-orientados por plasma ou amino-carboxil ativados por agentes de acoplamento adequados.

Fonte

https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/67/o/semi2011_Rodrigo_Balduino_1c.pdf

http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/138/132


quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Cobre antimicrobiano certificado pela EPA

O cobre é o metal com certificação pelo EPA como um bactericida.
O cobre foi o primeiro material sólido a ser aceito no registro da EPA (Agência de Proteção Ambiental dos EUA) como agente antimicrobiano. Portanto, é reconhecido que o cobre tem a capacidade de eliminar bactérias nocivas associadas a infecções microbianas potencialmente fatais 1, incluindo o vírus influenza A (H1N1) 2. Nenhum outro material foi certificado com esta propriedade. 

As bactérias 1 registradas pela EPA são:
Staphylococcus aureus
Enterobacter aerogenes
Escherichia coli O157: H7
Pseudomonas aeruginosa
Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA)

Além disso, de acordo com a literatura científica, o cobre também tem um efeito inibitório sobre fungos e outros microorganismos.

Fungos:
O cobre desativa e impede o crescimento de uma variedade de patógenos: 
Actinomucor elegans, Aspergillus niger, Penicillium chrysogenum, Rhizopus niveus, etc.

Bactérias 1: Campylobacter jejuni, proteus, e. coli, staphylococcus aureus, streptococcus grupo d, Pseudomonas aeuruginosa, bactéria de linho, Bacillus megaterium, Bacillus subtilis, Brevibacterium erytrhrogenes, bacilo tubérculo, achomobacter fischeri, Photobacterium phosphoreum. 

Levedura: 
Candida utilis, Candida albicans, Saccharomyces mandshuricus, Saccharomyces cerevisiae, Torulopsis utilis, Paramecium caudatum.

Vírus: 
Polivírus e rotavírus.

Em sua pesquisa mais recente (apresentada no âmbito da 2a Cúpula Anual Mundial de Ciências da Vida do BIT sobre antivirais), um dos principais microbiologistas, Professor Keevil (diretor da Unidade de Saúde Ambiental da Universidade de Sothampton), mostrou que o cobre inibe ativamente a influenza A e portanto, ele recomenda que as superfícies de contato em áreas públicas sejam feitas de cobre ou latão.

O estudo foi baseado na análise da incubação de influenza A e superfícies de cobre e aço inoxidável. Os resultados mostraram que, após um período de incubação de 24 horas, 500.000 partículas de vírus permaneceram infecciosas em aço inoxidável, enquanto, em apenas 1 hora de incubação em uma superfície de cobre, 75% do vírus foi erradicado e, após 6 horas, apenas cerca de 500 as partículas permaneceram ativas.

O professor Keevil afirma que "com a ameaça contínua da propagação do vírus influenza, como o H1N1, há uma necessidade real e urgente de implementar todas as medidas apropriadas e eficazes com eficácia antimicrobiana comprovada. 

Estudos estão constantemente provando que o uso de superfícies de cobre em espaços públicos importantes, como hospitais e áreas de processamento de alimentos, pode restringir e reduzir significativamente a propagação de doenças.

A excelente condutividade térmica do cobre e sua capacidade de suportar aumentos rápidos de temperatura tornam o cobre uma opção segura, saudável e ativa contra a legionela .O estudo de 2007 da Kiwa Water Research avalia os efeitos da temperatura da água no crescimento de Legionella em instalações com diferentes materiais: cobre, aço inoxidável, PVC-C e PEX-Al. 

O único material que eliminou todas as bactérias a 25o1 foi o cobre, enquanto que em outros materiais como aço inoxidável, PVC-C e PEX, eles foram erradicados a 60 °. 

Além disso, a inoculação em tubulações de cobre teve que ser repetida 5 vezes em comparação com apenas uma vez para os outros materiais.

EPA - Esclarecendo declarações sobre COVID-19

Em resposta à pandemia do COVID-19, as seguintes declarações esclarecedoras foram desenvolvidas como parte do Plano de Administração exigido pela EPA da CDA para tratar de um fluxo de consultas da mídia e de partes interessadas externas.

Relatórios da mídia e consultas públicas ao CDA observaram vários estudos independentes que relatam eficácia antimicrobiana de superfícies de cobre e ligas de cobre não revestidas contra patógenos humanos, incluindo uma cepa de coronavírus (HuCoV-229E) relatada no mBio por Warnes et al. ( Citação ).

Também houve ampla cobertura da mídia de um estudo recente financiado pelo governo dos EUA, conduzido por pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), relatando que o vírus SARS-CoV-2, que causa a doença COVID -19, permaneceu viável por até 2 a 3 dias em superfícies de plástico e aço inoxidável vs. até 4 horas em cobre ( citação )

Todos os produtos antimicrobianos comercializados e vendidos nos EUA são regulamentados pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) para garantir que os produtos sejam seguros e que as declarações de publicidade sobre a proteção da saúde pública e a eficácia contra patógenos específicos são suportadas por testes rigorosos sob a EPA protocolos aprovados.

Os materiais de liga de cobre são registrados pela EPA (Reg. Nos. 82012-1 a 6) para fazer reivindicações de saúde pública contra seis bactérias específicas * (por exemplo, mata continuamente > 99,9% do MRSA dentro de 2 horas após o contato entre as limpezas de rotina). 

Considerando as evidências limitadas contra o SARS-CoV-2 acima mencionadas, seriam necessários mais testes para avaliar a eficácia das superfícies de cobre e para apoiar as reivindicações de etiquetas de produtos registradas pela EPA contra o SARS-CoV-2.

A CDA está comprometida em cumprir suas obrigações de administração estabelecidas pela EPA, estabelecidas para transmitir informações precisas ao público e à comunidade de controle de infecções sobre a eficácia, o uso e os cuidados adequados dos materiais de liga de cobre. As superfícies de cobre são um complemento e não um substituto para as práticas padrão de controle de infecções.

A CDA está comprometida em apoiar as agências governamentais e funcionários de saúde pública apropriados que expressam interesse em avaliar o potencial das superfícies de liga de cobre para complementar as medidas de defesa de primeira linha contra o COVID-19, incluindo distanciamento social, praticando a higienização adequada das mãos e limpeza de rotina de superfícies frequentemente tocadas com desinfetantes registrados pela EPA.

Para obter mais informações sobre as orientações atuais da EPA para identificar produtos desinfetantes eficazes para uso contra patógenos virais emergentes, como o SARS-CoV-2.

Leia mais

Cobre EUA - Alegações de Saúde Pública

As ligas de cobre antimicrobianas são materiais sólidos de engenharia de metal registrados pela EPA dos EUA para matar bactérias * continuamente dentro de 2 horas quando limpos regularmente. 

Os produtos fabricados com ligas antimicrobianas de cobre registradas na EPA, provenientes de fornecedores registrados, podem ser comercializados com as seguintes alegações de saúde pública:

Testes de laboratório mostraram que, quando limpos regularmente:

Essa superfície reduz continuamente a contaminação bacteriana *, alcançando uma redução de 99,9% dentro de duas horas após a exposição. Esta superfície mata mais de 99,9% de bactérias Gram-negativas e Gram-positivas * dentro de duas horas após a exposição. 

Essa superfície fornece ação antibacteriana * contínua e contínua, permanecendo eficaz em matar mais de 99,9% de bactérias * em duas horas. 

Essa superfície mata mais de 99,9% de bactérias * em duas horas e continua a matar mais de 99% de bactérias * mesmo após repetidas contaminações.

Essa superfície ajuda a inibir o acúmulo e o crescimento de bactérias * dentro de duas horas após a exposição entre as etapas rotineiras de limpeza e higienização. 

* O teste demonstra atividade antibacteriana eficaz contra: Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), Enterococcus faecalis resistente à vancomicina (VRE), Staphylococcus aureus, Enterobacter aerogenes, Pseudomonas aeruginosa e E. coli O157: H7.

A EPA exige que a seguinte declaração seja incluída ao fazer alegações de saúde pública relacionadas ao uso de ligas de cobre antimicrobianas:

O uso de uma superfície de liga de cobre é um complemento e não um substituto para as práticas padrão de controle de infecção; os usuários devem continuar a seguir todas as práticas atuais de controle de infecção, incluindo aquelas relacionadas à limpeza e desinfecção de superfícies ambientais. Foi demonstrado que o material da superfície da liga de cobre reduz a contaminação microbiana, mas não impede necessariamente a contaminação cruzada.

* Os testes de laboratório mostram que, quando limpas regularmente, as superfícies de cobre antimicrobiano matam mais de 99,9% das seguintes bactérias dentro de 2 horas de exposição: MRSA, VRE, Staphylococcus aureus, Enterobacter aerogenes, Pseudomonas aeruginosa e E. coli O157: H7. As superfícies antimicrobianas de cobre são um complemento e não um substituto para as práticas padrão de controle de infecções e demonstraram reduzir a contaminação microbiana, mas não necessariamente evitam a contaminação cruzada ou infecções; os usuários devem continuar a seguir todas as práticas atuais de controle de infecção. 

Todo o conteúdo deste site é destinado apenas ao mercado e ao público dos EUA.

Fonte 

Eficácia científica do Cobre como Antimicrobiano

O aço inoxidável pode parecer limpo, mas as bactérias mortais que ameaçam a segurança do paciente podem prosperar nesse material por semanas ou até meses.

As ligas de cobre antimicrobianas são os primeiros materiais metálicos da superfície de toque registrados pela EPA a matar continuamente mais de 99,9% de bactérias * que causam infecções adquiridas em hospitais e degradam a higiene nos hospitais.

São necessários testes laboratoriais extensivos da EPA para fazer alegações de saúde pública.

As ligas de cobre antimicrobianas foram aprovadas em rigorosos protocolos de teste da EPA e são registradas pela EPA para fazer determinadas alegações de saúde pública. 

A eficácia contra as 6 bactérias registradas * está resumida abaixo.

Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA)
O cobre antimicrobiano fornece defesa suplementar contra o MRSA. O cobre é um excelente material para superfícies tocadas com frequência devido à sua capacidade de matar o MRSA entre as limpezas regulares.

Staphylococcus aureus
As infecções causadas por Staphylococcus aureus são comumente encontradas em estabelecimentos de saúde, mas também estão presentes em academias, escolas e instalações de vida assistida. O cobre antimicrobiano mata> 99,9% desta bactéria dentro de duas horas entre as limpezas e toques de rotina. A tabela abaixo mostra a eficácia de uma superfície de cobre antimicrobiana.

Escherichia coli O157: H7
O cobre antimicrobiano mata 99,9% de E. coli O157: H7 em duas horas, adicionando um nível adicional de proteção a boas práticas de higiene. A tabela abaixo demonstra que o cobre antimicrobiano mata E. coli O157: H7, enquanto o aço inoxidável e o plástico praticamente não têm efeito após seis horas.

Enterobacter aerogenes
O gráfico abaixo mostra a capacidade intrínseca do cobre antimicrobiano para matar essa bactéria resiliente. Em duas horas, mais de 99,9% das unidades formadoras de colônias de Enterobacter aerogenes são mortas em cobre e latão, duas ligas de cobre antimicrobiano, enquanto muito pouca redução é observada no aço inoxidável.

Pseudomonas aeruginosa
As superfícies antimicrobianas de cobre matam efetivamente esse patógeno, enquanto outros materiais de superfície são relativamente inertes. Os testes da EPA nos EUA confirmaram que as ligas de cobre antimicrobiano matam mais de 99,9% da Pseudomonas aeruginosa dentro de duas horas sob três protocolos de teste. 

Enterococcus faecalis resistente à vancomicina (VRE)
O VRE é resistente a vários antibióticos e é facilmente transmitido pelo toque em todo o ambiente de saúde. As superfícies antimicrobianas de cobre matam mais de 99,9% doVRE dentro de duas horas após a exposição, proporcionando proteção adicional contra esse organismo resiliente * Os testes de laboratório mostram que, quando limpas regularmente, as superfícies de cobre antimicrobiano matam mais de 99,9% das seguintes bactérias dentro de 2 horas de exposição: MRSA, VRE, Staphylococcus aureus, Enterobacter aerogenes, Pseudomonas aeruginosa e E. coli O157: H7. As superfícies antimicrobianas de cobre são um complemento e não um substituto para as práticas padrão de controle de infecções e demonstraram reduzir a contaminação microbiana, mas não necessariamente evitam a contaminação cruzada ou infecções; os usuários devem continuar a seguir todas as práticas atuais de controle de infecção.

Fonte

Bactéria mata 5 mil brasileiros por ano - 'Legionella'

Edição 877 / por Roxana Tabakman / 23 de novembro de 2015
Reeditata em 04 de agosto de 2020

Observação
Essa bactéria poderia ser eliminada com o uso de nano cobre em tratamentos de água,
pois o cobre é tem ação bactericida comprovada pelo EPA - EUA, e conforme outros
artigos publicados neste blog.

Legionella pneumophila é uma bactéria que ficou conhecida devido a um trágico acidente numa convenção da American Legion em 1976, no Bellevue Stratford HotelFiladélfia, onde repentinamente 34 participantes faleceram e 221 contraíram uma pneumonia grave. A busca do motivo dessas mortes levou ao conhecimento mais apurado da bactéria, apesar de já ser, na época, uma bactéria conhecida.

Fonte


Segue abaixo a reportagem na íntegra

Habituados a noticiar desgraças, nós jornalistas logo procuramos responsabilidades entre os causadores de tragédias por ação ou omissão. Geralmente os holofotes estão no terrorismo, no governo, nas empresas. Poucas vezes olhamos para atrás, e nos perguntamos o quê a imprensa poderia ter feito.

Agora, alertam os especialistas, a população brasileira corre um sério risco pela falta de divulgação na grande mídia de uma ameaça chamada Legionella, uma bactéria que, segundo estimativas, já mata anualmente cerca de 5.000 brasileiros.

“A imprensa trata do assunto com pouca ênfase e quando o aborda confunde informações” reclama o especialista em risco Leonardo Cozac. Semanas atrás, por exemplo, a TV Globo fez uma matéria sobre a Legionella que chamou a atenção dos especialistas por ter fornecido informações incompletas. “Nela se falava de que a Legionella vem pelo ar condicionado e de que o risco está somente na água aquecida” explicou ao Observatório da Imprensa, Marcos d’Avila Bensoussan, outro especialista da área que logo depois da emissão do programa fez o alerta do erro pelas redes sociais.

O perigo oculto no lava-jato
“As reportagens devem sempre consultar pesquisadores” recomenda Bensoussan, que acrescentou: “a imprensa tem que tomar cuidado.” Contrariamente ao difundido, a bactéria pode estar em qualquer aerossol ou vapor de agua, e na lista preta entram chuveiros, fontes decorativas, jacuzzis, parques aquáticos, umidificadores de ar, torres
de resfriamento utilizados na refrigeração e máquinas de lava-jato.

Os especialistas não se cansam de afirmar que no ano de 2013, quando no Brasil ocorreram 387 mortes por dengue, 4.600 por tuberculose e 41 de malária, pela “desconhecida” Legionella teriam morto em torno de cinco mil pessoas. Os idosos com problemas respiratórios e fumantes formam o maior grupo de risco. 

Mortes, custos médicos, absenteísmo em escolas e trabalho poderiam diminuir sensivelmente com mais informação. A única prevenção possível é evitar a sua proliferação nos ductos de água. Infelizmente, análises de amostras de água de todo o Brasil, mostram um percentual de 15% de resultados positivos para a bactéria.

Uma busca no Google, permite conferir facilmente o pouco destaque que a mídia brasileira tem dado ao problema que acaba com 13 vidas por dia no país, nos cálculos mas otimistas. 

A imprensa pode colaborar de diversas maneiras. Uma é simplesmente publicando notícias que atraiam a atenção do público e dos responsáveis. Em tese, a difusão de informações sobre a legionella poderia fazer pressão para que o Ministério da Saúde aborde o assunto de forma proporcional à sua importância. 

Os hospitais no Brasil não identificam o tipo de microrganismos que causa febre ou pneumonia, e se fosse feita a identificação, seria mais fácil localizar surtos ou regiões com problemas de proliferação da bactéria.

Fatos noticiosos a destacar não faltam. Em Nova Iorque houve um surto recente com cerca de 12 mortes e mais de 300 pessoas contaminadas. Houve casos fatais também em Illinois e Califórnia. De fato, nos EUA os casos se triplicaram entre 2001 e 2012. 

Faz um ano houve no Portugal um surto com 7 mortes e 273 contaminados. A grande maioria dos focos da doença está associada a hotéis, resorts, e navios além de hospitais e por causa disso o assunto está despertando o interesse dos turistas americanos que virão aos Jogos Olímpicos. 

Quando se fala em Legionella no Brasil, logo vem à cabeça de muitos, o caso do ex-Ministro Sérgio Motta, que teria falecido depois de ter contraído essa bactéria. Na época, o governo e a mídia relacionaram essa morte a sistemas de ar condicionado sem manutenção. A qualidade de ar melhorou, mas o risco ainda se esconde na água.

Uma segunda via em que a mídia e chamada a ocupar um papel importante é alertar corretamente sobre a prevenção da enfermidade, explicando de forma clara os cuidados domésticos como a esterilização da água utilizada em umidificadores residenciais e a limpeza de chuveiros. “A Legionella ficou conhecida em 1976. 

Já se passaram quarenta anos, os casos se multiplicam e ainda há muito por fazer para que mais vidas sejam poupadas por esta bactéria no nosso dia a dia” conclui Bensoussan, editor do livro gratuito de divulgação Legionella na visão de especialistas. “A população brasileira corre um sério risco pela falta de divulgação na grande mídia e por falta de interesse do Ministério da Saúde em abordar seriamente o assunto.” acrescenta Cozac.

Problemas no pais não faltam. Seria bom não ter que agregar ao dengue, vírus Zika e microcefalia, o título “Surto de Legionella no Brasil”. Ainda dá para fazer a nossa parte. 

Para mais detalhes sobre a Legionella, visite as seguintes páginas na internet: 




Roxana Tabakman é bióloga e jornalista. Autora do livro “A saúde na mídia. Medicina
para jornalistas, jornalismo para médicos” (Ed. Summus)

Nanopartículas de cobre sintetizadas na superfície de nanotubos de carbono para aplicações antimicrobianas e anti-biofilme

Journal Nanoscale

Youngmin Seo , 1 Jangsun Hwang , b Eunwon Lee , c Young Jin Kim , d Kyungwoo Lee , b Chanhwi

Parque , b Yonghyun Choi , b Hojeong Jeon ae e Jonghoon Choi * b

Center for Biomaterials, Biomedical Research Institute, Korea Institute of Science and Technology, Seoul 02792, Korea

School of Integrative Engineering, Chung-Ang University, Seoul 06974, Korea
E-mail: nanomed@cau.ac.kr

Division of Endocrinology and Metabolism, Department of Medicine, Samsung Medical Center, Sungkyunkwan University School of Medicine, Seoul 06351, Korea

Department of Applied Physics, Graduate School, Hanyang University, Seoul 04763, Korea

Division of Bio-Medical Science & Technology, KIST School, Korea University of Science and Technology (UST), Seoul 02792, Korea


Resumo
Os biofilmes aderem às superfícies para produzir substâncias poliméricas extracelulares (EPSs). Os EPSs crescem e se protegem de tensões externas. Sua formação causa um odor desagradável e pode levar a doenças infecciosas crônicas em animais e pessoas. Os biofilmes também inibem o contato entre bactérias e antibióticos, reduzindo assim sua atividade antibacteriana. 

Assim, descrevemos novas nanoestruturas, uma fusão de cobre e nanotubos de carbono de paredes múltiplas (MWCNTs), que aumenta m a atividade antimicrobiana contra biofilmes sem serem tóxicos para as células humanas. 

Simulações baseadas na resposta estocástica foram realizadas para prever a eficiência da síntese de nanoestruturas. 

Os Cu / MWCNTs sintetizados inibem o crescimento de Methylobacteriumspp., que forma biofilmes; testes antimicrobianos e avaliações de citotoxicidade mostraram que os Cu / MWCNTs não eram citotóxicos para células humanas. 

Os Cu / MWCNTs entram em contato direto com a superfície celular bacteriana, danificam a parede celular e causam oxidação secundária de espécies reativas de oxigênio. 

Além disso, os Cu / MWCNTs liberam íons cobre, que inibem a detecção de quorum em Methylobacterium spp., inibindo assim a expressão dos genes que formam biofilmes. 

Além disso, confirmamos excelente condutividade elétrica e térmica de Cu / MWCNTs, bem como  eficiência de remoção de biofilme no canal microfluídico.


 
Fonte

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Nano Antibióticos” - um novo paradigma para o tratamento de doenças infecciosas usando nanomateriais na era resistente aos antibióticos

Ae Jung Huh 1 b | Jik Kwon 1 c d

1  Departamento de Ciências Farmacêuticas, Universidade da Califórnia, Irvine, CA 92697, 
Estados Unidos

b  Divisão de Doenças Infecciosas, Departamento de Medicina Interna, Hospital  Nacional Ilsan da Corporação de Seguro de Saúde, 1232 Baekseok-dong, Ilsandong-gu, Goyang-si, Gyeonggi-do 411-719, República da Coréia

c  Departamento de Engenharia Química e Ciência dos Materiais, Universidade da Califórnia, Irvine, CA 92697, Estados Unidos Departamento de Engenharia Biomédica, Universidade da Califórnia, Irvine, CA 92697, Estados Unidos

Recebido em 3 de janeiro de 2011, Aceito em 29 de junho de 2011, disponível online em 6 de julho de 2011

Resumo
Apesar de vivermos em uma era de tecnologias avançadas e inovadoras para elucidar mecanismos subjacentes de doenças e projetar molecularmente novos medicamentos, as doenças infecciosas continuam sendo um dos maiores desafios à saúde em todo o mundo. As principais desvantagens dos agentes antimicrobianos convencionais são o desenvolvimento de resistência múltipla a medicamentos e efeitos colaterais adversos. A resistência aos medicamentos impõe a administração de antibióticos em altas doses, geralmente gerando toxicidade intolerável, desenvolvimento de novos antibióticos e solicitações de investimentos econômicos, trabalhistas e de tempo significativos. 

Recentemente, agentes antibióticos não tradicionais têm sido de enorme interesse em superar a resistência que é desenvolvida por vários microrganismos patogênicos contra a maioria dos antibióticos comumente usados. Especialmente, várias classes de nanopartículas antimicrobianas (NPs) e portadores  nanosizados para administração de antibióticos provaram sua eficácia no tratamento de doenças infecciosas, incluindo resistentes a antibióticos, in vitro e também em modelos animais. 

Esta revisão resume os esforços emergentes no combate a doenças infecciosas, particularmente usando NPs antimicrobianos e sistemas de administração de antibióticos como novas ferramentas para enfrentar os desafios atuais no tratamento de doenças infecciosas.


Resumo gráfico Abreviações

Ag = prata
Al = alumínio
Al 2 O 3 = óxido de aluminio
AMs = macrófagos alveolares
Apt = aptâmeros
Au = ouro
AUC = área sob curva
B. Anthracis = Bacillus anthracis
BBB = barreiras cerebrais no sangue
B. Subtilis = Bacillus subtilis
C. Albicans = Candida albicans
CdS = sulfeto de cádmio
Chol = colesterol
CNS = sistema nervoso central
CNTs = nanotubos de carbono
C. Pneumoniae = Chlamydia pneumoniae
Cu = cobre
CuO = óxido de cobre
DC-Chol = colesterol dimetilamônio etano carbamoil
DCP = diacetilfosfato
DPPC = 1,2-dipalmitoil-fosfatidilcolina
DSPG = distearoilfosfatidilglicerol
E. Coli = Escherichia coli
E. Faecium = Enterococcus faecium
EPC = ovo PC
FWS = Suspensões de água de fulereno
GB = behenato de glicerilo
Gp = glicoproteínas
GPAA = poliacrilato glicosilado
GPS = Palmitostearato de glicerol
GSH = glutationa
H. Influenzae = Hemophilus influenzae
HSPC = fosfatidilcolina de soja hidrogenada
LDH = desidrogenase láctica . L. monocytogenes, Listeria monocytogenes
L. Pneumophila = Legionella pneumophila
MAPA = Mycobacterium avium spp. paratuberculose
MgF2 = fluoreto de magnésio
Microfone = concentração inibitória mínima
MPS =sistema fagocítico mononuclear
MRSA = Staphylococcus aureus resistente à meticilinaM. Tuberculosis = Mycobacterium tuberculosis
MWNTs = tubos com paredes múltiplas
NGF = fator de crescimento do nervo
N. Gonorrheae = Neisseria gonorrheae
NIR = próximo ao infravermelho
NPs = nanopartículas
NÃO = óxido nítrico
O / W = óleo em água
PAA = poliacrilato
P. Aeruginosa = Pseudomonas aeruginosa
PAMAM = poliamidoamina
PC = fosfatidil colina
PCA = poli (cianoacrilato)
PCL = poli (ε-carprolactona)
PECA = polietilcianoacrilato
PEG = polietileno glicol
PEG-DSPE = 1-2-disteril-sn-glicero-3-fosfoetanolamina- N - (polietileno glicol-2000)
PG = fosfatidil glicerol
PGA = poli (ácido glicólico)
PHEPC = fosfatidilcolina de ovo parcialmente hidrogenada
PIHCA = poliisohexilcianoacrilato
PLA = poli (ácido lático)
PLCP = dendrímeros copoliméricos à base de lisina peguilada
PLGA = poli (lactídeo-co-glicolídeo)
PTMC = poli (carbonato de trimetileno)
PVA = Álcool polivinílico
PVP = polivinilpirrolidona
QDs = pontos quânticos
RES = sistema reticuloendotelial
RNS = espécies reativas de nitrogênio
ROS = espécies que reagem ao oxigênio
SA = ácido esteárico
S. Aureus = Staphylococcus aureus
SDBS = sulfato de dodecil benzeno de sódio
SDC = desoxicolato de sódio
S. Epidermidis = Staphylococcus epidermidis
SLNPs = nanopartículas lipídicas sólidas
SMZ = sulfametoxazol
SPC = fosfatidil colina de soja
S. Pneumoniae = Streptococcus pneumoniae
STC = taurocolato de sódio
SWNTs = nanotubos de parede única
TBGC = vidro bioativo de borato carregado de teicoplanina e quitosana
TEM = microscopia eletrônica de transmissão
THF = tetra-hidrofurano
TiO 2 = dióxido de titânio
VRE = Enterococo resistente à vancomicina
VRSA = Staphylococcus aureus resistente à vancomicina
Sem = água em óleo
ZnO = óxido de zinco

Fonte

Nanotecnologia alimentar - uma visão geral

Nanotechnol Sci Appl . 2010; 3: 1–15.
Publicado online em 4 de maio de 2010.

Resumo
A nanotecnologia de alimentos é uma área de interesse emergente e abre um universo inteiro de novas possibilidades para a indústria de alimentos.

As categorias básicas de aplicações e funcionalidades de nanotecnologia atualmente no desenvolvimento de embalagens de alimentos incluem: a melhoria das barreiras de materiais plásticos, a incorporação de componentes ativos que podem oferecer atributos funcionais além das embalagens ativas convencionais, a detecção e sinalização de informações relevantes.

Os materiais de nano embalagens para alimentos podem prolongar a vida útil dos alimentos, melhorar a segurança alimentar, alertar os consumidores de que os alimentos estão contaminados ou estragados, reparar as lágrimas nas embalagens e até liberar conservantes para prolongar a vida útil dos alimentos na embalagem.


As aplicações de nanotecnologia na indústria de alimentos podem ser
utilizadas para detectar bactérias nas embalagens ou produzir sabores mais fortes e qualidade de cor, e segurança aumentando as propriedades da barreira.

A nanotecnologia tem uma grande promessa de fornecer benefícios  não apenas nos produtos alimentícios, mas também em torno dos produtos alimentícios.


De fato, a nanotecnologia apresenta novas chances de inovação na indústria de alimentos a uma velocidade imensa, mas também estão surgindo incertezas e preocupações com a saúde.

A legislação da UE / WE / global para a regulamentação da nanotecnologia em alimentos é escassa.

Além disso, a legislação atual parece inadequada à especificidade da nanotecnologia.

Fonte

Cobre: primeiro metal bactericida no mundo aprovado pela EPA

Por MS&L | 26/03/2008

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos aprova o registro das ligas de cobre.
- O cobre, o latão e o bronze destroem patógenos - inclusive a "superbactéria" MRSA (Staphylococcus aureus resistente a meticilina) - que é responsável por causar infecções em hospitais e comunidades.

A agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos aprovou o registro de ligas de cobre antimicrobiano, afirmando que beneficiam a saúde pública. Essas afirmações reconhecem que o cobre, o latão e o bronze são capazes de destruir bactérias nocivas e potencialmente letais. O cobre é o primeiro material de superfície sólida a receber esse tipo de registro da EPA, o que é respaldado por amplas provas de eficácia antimicrobiana.

O registro da EPA baseia-se em testes de laboratórios independentes que utilizam protocolos estabelecidos por essa instituição, que demonstram a capacidade desses metais destruírem bactérias específicas que causam doenças, inclusive o Staphylococcus aureus resistente a meticilina (MRSA). MRSA é uma das cepas mais virulentas das bactérias resistentes a antibióticos e é causa comum das infecções adquiridas em hospitais e comunidades.

Os testes realizados segundo os protocolos aprovados pela EPA demonstram que o cobre, o latão e o bronze são eficazes contra uma série de bactérias que causam doenças. Por exemplo, um estudo indica que as "superbactérias" de MRSA mantêm-se vivas nas superfícies típicas de aço inoxidável (o controle obrigatório estipulado pela EPA), ao passo que, em uma superfície de liga de cobre, mais de 99,9% das superbactérias são destruídas dentro de duas horas em temperatura ambiente.



O registro inclui as seguintes declarações:

1) "Quando as superfícies de ligas de cobre antimicrobianas são limpas com regularidade, elas destroem mais de 99,9% das bactérias (específicas) dentro de um período de duas horas e continuam destruindo mais de 99% dessas bactérias mesmo depois de repetidas contaminações".

2) "O uso de uma superfície de liga de cobre age como suplemento e não é substituto das práticas normais de controle de infecção. Os usuários têm de manter vigentes todas as práticas de controle de infecção existentes, inclusive as que se referem à limpeza e à desinfecção de superfícies ambientais. Demonstrou-se que o material de superfície de ligas de cobre reduz a contaminação microbiana, nas não necessariamente previne a contaminação cruzada".

As estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), que foram amplamente anunciadas, estimam que as infecções contraídas em hospitais nos Estados Unidos afetam dois milhões de pessoas por ano, resultando em cerca de 100.000 óbitos anuais.

O uso de ligas de cobre para superfícies de contato, como suplemento para evitar a contaminação cruzada, terá implicações de longo alcance no uso desse metal.

Seus possíveis usos, que incluem materiais para mobiliário, portas, grades para camas hospitalares, aparelhos para uso intravenoso, dispensadores, torneiras, lavatórios, tanques e estações de trabalho, entre outros, ajudarão a reduzir a quantidade de bactérias que causam doenças nos quartos dos pacientes.

Ao contrário de outros revestimentos e materiais de acabamento atualmente usados no mercado, a eficácia antibacteriana das ligas de cobre não se desgasta: elas podem oferecer proteção sólida e duradoura.

A indústria do cobre está mantendo contatos com os fabricantes de equipamentos hospitalares relevantes visando o desenvolvimento de produtos cofiáveis para esses fins.

Fonte